Entrevista: ASKE – Death Metal – São Carlos/SP

ASKE é uma banda que pertence a nova safra do Death Metal nacional. Vinda de São Carlos/SP o grupo tem apresentado materiais incríveis nos últimos anos o que não demorou para chamar a atenção do público e da mídia especializada, sendo eles um full length, um single e um videoclipe de altíssima qualidade. Hoje conversamos um pouco com Filipe Salvini, baixista da banda para saber um pouco mais sobre o início, influências e projetos futuros do ASKE. Confira:

TMW: Primeiramente me fale das origens da banda. Quando e como se formou e porque a escolha do nome ASKE?

Filipe Salvini: Paulo Roberto e eu fundamos o ASKE em 2009. Somos grandes amigos e o gosto pela música metal sempre nos acompanhou.

As palavras “cinzas” nos pareceu um bom nome de batismo para nosso projeto, talvez pelo fato de sempre querermos fazer nossa música, mesmo nas situações não favoráveis. Descobrimos, por acaso, que “cinzas”, em norueguês, é “aske” – palavra já conhecida dentro do metal extremo.

Como a palavra nos soou agradável, solucionamos um dos dilemas de toda banda iniciante: encontrar o nome ideal.

TMW: Durante esses anos aconteceram mudanças na formação da banda? O que você lembra de bom e ruim dos primeiros anos?

Filipe Salvini: Decidimos, a princípio, permanecer sem outras pessoas na banda pois queríamos evitar situações que enfrentamos em projetos anteriores: divergências de opiniões; a banda se fragmentar e perder sua identidade; dentre outras situações.

Trabalhar dessa forma talvez tenha sido a melhor escolha que poderíamos ter feito porque conseguimos criar algo realmente pessoal que implicou, diretamente, na escolha dos músicos para a formação que estamos: amigos que não buscam apenas ver a banda como algo profissional, mas como uma roda de amigos, uma família.

TMW: Como sente a aceitação do público em relação ao trabalho da banda? Como funciona o processo de composição?

Filipe Salvini: Embora o disco “Once…” tenha sido produzido em 2014 e lançado em 2015, ocasião em que nos apresentamos com a banda pela primeira vez, em um pub local, começamos a investir na banda e trabalhar de forma profissional neste ano de 2016, com o lançamento do videoclipe “Übermensch”.

Sobre as composições do disco, 80% das letras foram escritas pelo Paulo e uma boa parte das composições foi criada por mim. Mas esta divisão é arbitrária para nós: cada composição carrega um pouco da vivência que compartilhamos e é resultado de um conhecimento que gostamos de construir juntos. Embora eu me envolva cada vez mais nas composições, porque, de certa forma, o ASKE é como um diário para mim, acredito que a maior inspiração é saber que todos sempre tem a contribuir, com seu pessoal.6491580f9cfdb3f43f24c3bb7f4330e5
Ouça e baixe o disco “Once…”: https://askehorde.bandcamp.com/album/once

TMW: A propósito, o videoclipe da música “Übermensch” foi lançado recentemente. Como foi o processo de gravação? E a recepção foi boa?

Filipe Salvini: A música está presente no disco “Once…” e nos baseamos no livro “Assim Falou Zaratustra”, de F. Nietzsche. Criamos seu roteiro e a produção foi feita no primeiro semestre desse ano. Foi um processo lento, mas rico em aprendizado, pois nunca havíamos feito algo dessa proporção e o resultado obtido foi muito bom! Esperamos poder fazer um trabalho melhor a cada lançamento!


NOTA: Uma matéria sobre a mensagem passada no clipe foi lançada no site da Sangue Frio Produções (em português) e no site da rádio Metal Devastation (em inglês).
Português: https://goo.gl/pCyAXb
Inglês: https://goo.gl/OxEhoS

TMW: Como anda o ritmo de shows da banda? Como enfrentar a eterna ausência de locais para bandas autorais?

Filipe Salvini: Não temos focado em apresentações, no momento. Devido à agenda e compromissos de cada um, tem sido inviável reunir a banda, mas, diferentemente do que possa parecer, nunca trabalhei tanto igual estou trabalhando agora: tenho dedicado a maior parte do meu tempo na produção do ASKE e, se não estou produzido ou criando, diretamente, estou buscando fazer coisas que me sirvam de inspiração.

Muitas bandas acabam tendo seu foco em apresentações como se esse fosse o único fator que faz uma banda estar ativa, mas tenho visto que isso não é verdade. Como uma banda pode querer que seu público e as casas de show se interessem pelo seu trabalho se elas não ficarem um tempo em “reclusão”, dedicando-se para criar uma música realmente interessante?

Talvez este seja o erro de grande parte das bandas autorais: querer focar em apresentações sem antes se importar em como sua música será mostrada.

073f7df54e800ec89808d65fb2956c02

TMW: Falando nisso, essa “reclusão” que você mencionou teria a ver com algum lançamento futuro? Qual a projeção para o futuro da carreira do ASKE?

Filipe Salvini: Sim. Estou trabalhando em algo especial para mim porque será o primeiro trabalho com a formação da banda (o disco “Once…” foi gravado quando éramos apenas o Paulo e eu).

Esse material mesclará composições novas, que compus pensando nos caras, com um pouco do que foi feito no “Once…”. Produziremos o material em janeiro e fevereiro e lançaremos no início de março.

As pessoas que gostam da música do ASKE podem esperar algo realmente a altura do que já lançamos.

TMW: Como encarar o desafio de fazer o ASKE crescer e se desenvolver cada vez mais profissionalmente e tentar uma exposição maior na cena nacional? Como o público pode adquirir o disco e outros materiais da banda?

Filipe Salvini: O disco “Once…” está disponível para ser ouvido e baixado, gratuitamente, nos links no final desta entrevista.

Essa banda, de certa forma, é a minha vida, pois é onde deposito todo o meu pessoal e a amizade que tenho pelos caras. Para mim não faria muito sentido em continuar senão pela amizade e pela vontade de querer que todos cresçam juntos. Nós sempre tocamos porque gostamos da música que fazemos e fazer nossa banda crescer é um desafio que abraçamos com orgulho e vontade.

TMW: Deixamos este espaço para a banda falar direto ao público.

Filipe Salvini: Primeiramente agradeço, em nome da banda, a equipe do site e a Sangue Frio Produções pela oportunidade de mostrar nosso trabalho e a todos que nos acompanham e sabem o quanto nos empenhamos para sempre fazer nossa música.

Quero, também, mandar um forte abraço para as bandas amigas que também se empenham em fazer sua música acontecer!e6d9a2849e2731dd3f042d185a88e0a8

ASKE é:
Paulo Roberto – vocais
Lucas Duarte – guitarras
Luciano Galhardo – guitarras
Filipe Salvini – contrabaixo
Renato Lourenço – bateria

Contato para shows e assessoria: www.sanguefrioproducoes.com/contato

Sites Relacionados:
Facebook: https://www.facebook.com/askehorde/
Sangue Frio Produções: http://www.sanguefrioproducoes.com/bandas/Aske/27
Bandcamp (download): https://askehorde.bandcamp.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s