Entrevista: Cangaço

A banda Cangaço surgiu no Recife em 2010, tendo como objetivo mesclar musicas tradicionais brasileiras, no caso nordestinas, com o metal moderno, as letras incitam a reflexão e o senso critico de nossos jovens. Atualmente a banda é formada por Rafael Cadena (Guitarra e vocal), Magno Barbosa Lima (Baixo e vocal) e Mek Natividade (Bateria e percussão).  Vamos a entrevista:

MW: Qual a inspiração da banda?

Cangaço: Todos aqueles que ousam buscando novas ideias e formas de fazer arte. A lista é enorme e continua crescendo a cada dia, não daria para escrever aqui. (Risos)

MW: Gostaria de saber como foi a ideia de recriar 4 músicas retratando literaturas clássicas brasileiras?

Cangaço: Era uma vontade que todos nós já tínhamos. Essas músicas pertencem a artistas que nos influenciaram e ainda nos influenciam de uma forma geral. Inclusive se você parar para reparar todos esses artistas são bastante ousados no que fazem e tem muita mistura de ritmo em seus trabalhos. O processo de escolha foi democrático, cada um escolheu uma música. Já vínhamos fazendo algumas versões da música “Sangue de Bairro” da Nação Zumbi no início dos shows, então achamos que seria ideal para essa função no EP.

MW: Como que foi o processo de produzir o novo EP intitulado ”Retalhado” ?

Cangaço: A música Rondon e grande parte das ideias para o tributo de “Nothing to Say” já haviam sido compostas a algum tempo. No entanto, as outras três músicas foram trabalhadas do estágio inicial até o final dentro do estúdio. Foi a primeira vez que trabalhamos dessa forma juntos, o clima é ótimos e nos entendemos muito bem musicalmente falando. Tínhamos o costume de construir muitas ideias em casa e levar ao estúdio apenas para lapidar. Dessa vez fizemos diferente e foi uma experiência nova, divertida e muito empolgante.

MW: Sempre admirei a banda por usar a cultura brasileira e saber misturar bem com o metal que é um trabalho que exige mais ainda, na opinião da banda. A cultura local de cada região do Brasil deveria ser mais explorada nas músicas de metal?

Cangaço: O Brasil tem uma história muito vasta e rica que, sem dúvida, merece reconhecimento por parte de nós brasileiros; e vem tendo! Recentemente um grupo de bandas que trata de temáticas relacionadas ao Brasil (incluindo nós) se uniram para promover esse jeito diferente de fazer Heavy Metal: inserindo a riqueza cultural brasileira nas suas músicas e/ou em suas letras. Assim surgiu o “Levante do Metal Nativo” onde atualmente participam as bandas: Armahda, Aclla, Cangaço, Arandu Arakuaa, Hate Embrace, Tamuya Thrash Tribe e Voodoopriest. A ideia é que mais bandas que compartilham dessa proposta se juntem a nós. Temos o objetivo de exaltar nossa cultura e inspirar futuras gerações de bandas e artistas para que se orgulhem da sua própria história.

MW:  Vocês agora vão fazer uma turnê em São Paulo, como anda a recepção das pessoas para o som da banda em outros estados?

Cangaço:  Para nossa sorte sempre fomos muito bem recebidos pelo Brasil todo. É comum algumas pessoas de outros estados entrarem em contato para comprar material ou mesmo elogiar nosso trabalho e muitos que dizem não gostar do nosso som pelo menos elogiam a proposta. Para nós é ótimo esse feedback, só nos dar mais força pra continuar nessa jornada musical.

MW: A banda tem alguma previsão de lançar um CD (full) ou se tem algumas coisas prontas?

Cangaço: Ainda não temos material o suficiente, mas estamos quase lá! Vamos continuar divulgando esse novo EP e trabalhando novas ideias em estúdio por enquanto. Não podemos dar uma previsão no momento, mas não deve demorar muito.

MW: Tem alguma data para vir tocar aqui no sul?

Cangaço: Fomos para Santa Catarina em 2013 e foi uma experiência ótima! Não temos datas no momento mas gostaríamos muito. Infernizem os produtores daí para nos levarem de novo! 

MW: Me lembro de quando a banda estava gravando o EP ”Positivo”, tudo caseiro e de forma independente, hoje em dia está mais acessível para uma banda independente gravar em um estúdio ou ainda é difícil?

Cangaço: Tudo depende do quanto você pode pagar. É possível gravar em estúdios pagando pouco ou gastando rios de dinheiro. A diferença estará no tempo investido em dedicação para que as ideias e a  performance funcionem na hora da gravação. Graças a tecnologia, muitas vezes compensa mais investir em equipamentos para gravar o que for possível em casa e alugar um estúdio para bateria e voz, por exemplo. De uma forma ou de outra as coisas estão mais acessíveis sim, as ofertas são inúmeras e até trabalhar com estúdios fora do país se tornou possível graças a internet.

MW: Que conselho dão para quem está iniciando?

Cangaço: Procurem buscar o que te difere dos outros, se observem, se aceitem, se redescubram a cada dia, fazer música é só parte do processo e não vai fluir enquanto não houver essa vontade e atitude em torno do autoconhecimento. É preciso está em constante reflexão sobre si mesmo. É um conselho mais filosófico do que técnico, mas acreditamos que a raiz para a solução de todos os problemas que surgem dentro de uma banda está aí. Todos os membros devem ter esse compromisso.

MW: E para finalizar deixe uma mensagem para os fãs e para quem deseja conhecer a banda.

Cangaço:  Agradecemos muito às pessoas que apoiam e admiram o nosso trabalho. Fazemos nossa arte de coração aberto e esperamos que de alguma forma tenhamos contribuído para a evolução pessoal de alguém que nos ouve. Estamos na luta!

Além de agradecer a banda Cangaço pela atenção, agradecemos também a Douglas Baungratz por ter colaborado com a formulação das perguntas!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s